CONSTATAÇÕES

Abrimos uma caixinha de perguntas no Instagram essa semana e uma das perguntas que surgiu e ficou martelando na nossa cabeça foi: e a saudade? Como conseguiram resolver?

Quando o assunto é morar em outro país, a primeira crise é “estar longe e lidar com a saudade”. Se isso martela sua cabeça também, vamos conversar!

Primeira informação importante: se você é do Brasil, salvo raras exceções, você foi criado pra estar perto da sua família. Você cresceu vendo seus pais vivendo perto dos pais deles, as festas de Natal com 50 pessoas, os almoços de domingo.

Segunda informação importante: Você também deve (ou deveria!) ter crescido sabendo que não dá pra ter tudo. Que pra cada escolha há uma renúncia. Que não da pra ser livre e querer estar preso.

É evidente que estar longe do ninho é a parte mais desafiadora dessa aventura. Mas é igualmente evidente que quanto mais você fica, mais você se aconchega e acomoda.

Uma vez li sobre quanto o conforto do ninho pode tardar o voo. Isso nunca foi tão verdadeiro pra nós.

Não que estar perto da família e dos amigos seja um problema. Pelo contrário! Se pudéssemos correr e agarrar nossos sonhos pessoais e levá-los junto… ahh! Muito mais pessoas teriam coragem de se movimentar.

⚠️ O problema está em deixar de buscar as suas conquistas só porque elas estão um pouco longe demais dos seus.

⚠️A saudade é dolorida, mas com esforço e um pouco de sorte, é possível lidar com isso.

Meu vô está entre as pessoas mais sábias que eu conheço. No dia em que contamos pra ele que viríamos morar em outro país a minha mãe esperava que, assim como ela, ele rejeitasse a ideia.

Vindo dele a resposta não seria diferente:

“eu vim do Sertão da Bahia pra São Paulo há 60 anos. Eu tinha 20. Minha mãe esperou por 30 dias até eu chegar e mais 30 dias até que minha carta dizendo que sobrevivi chegasse até ela. Você tem esse celular. Vai ver, falar e ouvir a Paula todos os dias se quiser.”

E nesse momento eu realizei: se os dois lados quiserem e compreenderem as vontades e limites do outro, a saudade é um passivo administrável.

COMO LIDAR

Aqui reservamos o espaço pra escrever aos dois lados:

🛫 Você, que saiu ou está saindo do ninho, tenha em mente as razões da sua decisão de ir. São essas razões – se muito bem pensadas e planejadas – que vão te ajudar a segurar a dor e o peso de estar tão longe.

☝🏻 A você que ficou e tem dificuldades em entender as razões daquele que optou por ir, pense sempre que quem está indo vai sozinho. Vai pro desconhecido. Tem muitos medos a enfrentar.

Que o seu sofrimento de não o ter por perto, na verdade, é o seu ego que não aceita o fato de alguém escolher, dentre as várias possibilidades, priorizar os sonhos ao invés de alimentar a sua ideia de posse.

A real é que a nossa família se preocupa com nosso bem estar. E nós temos o dever de mantê-los informados e seguros de que estamos bem.

Sem dúvida alguma, essa é a melhor forma de fazê-los enxergar o quanto você está feliz com as suas decisões, mesmo que elas tenham resultado numa distância com a qual todos nós devemos acostumar.

Contem aqui nos comentários como vocês têm lidado com isso, se nosso post te ajudou a lidar com a saudade, ou se ajudou a tomar a decisão de ficar ou sair do ninho ! Vamos amar saber e nos inspirar ♡

Publicado por:Free2BeBlog

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.